20 de mai de 2010

15 de novembro de 1908

Fragmento do livro: "O Encanto dos Orixás" por Flávio Perri.

       No dia 15 de novembro de 1908, Zélio foi convidado a participar de uma sessão espírita que lhe ajudasse a superar males físicos de que sofria, sem esperança de cura. Transcrevo abaixo, em itálico, o relato por mim livremente adaptado dos episódios dessa noite:

       Tomado por força superior a sua vontade, Zélio manifestou-se em frases que não controlava:
       "Sinto falta da flor", enquanto depositava uma rosa no centro da mesa. Sob protestos dos médiuns tradicionais, restabelecida a corrente mediúnica, manifestaram-se espíritos que se diziam de pretos escravos e de índios, diante da incredulidade e recusa dos tradicionalistas.
       Zélio, ou Quem por ele se manifestava, questionou os motivos da não-aceitação da presença desses espíritos que se autoanunciavam, denunciando seu alegado 'atraso'  como forma preconceituosa, resultante apenas da diferença de cor e de classe social que revelavam.
        A entidade anunciou, então, o início de um culto novo, no qual espíritos de pretos escravos e de índios trariam sua mensagem e cumpririam sua missão espiritul no atendimento das gentes. Atribuiu-se o nome de Caboclo das Sete Encruzilhadas, para cuja ação não haveria caminhos fechados.
       Essa entidade fundadora retornou no dia seguinte, conforme anunciara, para solenemente declarar iniciado a novo culto em que (a) espíritos de velhos escravos, que não encontravm campo de atuação nas seitas de origem africana remanescentes (...).
       O Caboblo das Sete Encruzilhadas acentuou em sua fala inicial a destinação da nova religião, para falar aos humildes, simbolizando a igualdade entre todos os homens e mulheres para a prática da caridade, do amor fraterno, sob o Evangelho e tendo Jesus, como Mestre.

PERRI, Flávio Miragaia. O Encanto dos Orixás. Rio de Janeiro, Expressão e Cultura, 2002.
(páginas 26-27)

Nenhum comentário:

Postar um comentário